Substâncias Químicas e seus Nomes Estranhos

Autor: Júlio Carlos Afonso

O emprego da nomeclatura química segundo as normas da União Internacional de Química Pura e Aplicada (IUPAC) pode significar em nomes quilométricos e complexos demais para uma primeira interpretação. Já a chamada nomenclatura vulgar tem como fonte a origem da descoberta daquela substância (no reino animal, vegetal ou mineral), o nome do descobridor ou a região em que tal substância ocorre ou foi identificada pela primeira vez.


Por isso mesmo alguns desses nomes vulgares soam muito estranhos em determinadas línguas (a nossa não é exceção) por conta de significados ambíguos, principalmente pejorativos e engraçados. A figura abaixo mostra oito exemplos das dezenas que existem. Seus nomes oficiais são:

 

- ácido chiquímico: é o ácido (3R,4S,5R)-3,4,5-tri-hidroxiciclo-hex-1-eno-1-carboxílico. É um importante intermediário em rotas bioquímicas de plantas e micro-organismos. O seu nome deriva do nome em japonês (shikimi - シキミ) de uma flor (Illicium anisatum), a partir do qual é isolado.

 

- psicose: este isômero da frutose é a d-ribo-2-hexulose; é difícil de ser preparado artificialmente. Possui sabor doce, mas não é digerível pelo ser humano; por isso, a ingestão calórica é quase inexistente (contém apenas 0,3% da energia da sacarose). O nome "psicose" é derivado da psicofuranina um antibiótico de onde o açúcar pode ser obtido.

 

- ácido constipático: aparece em alguns líquens australianos como a Parmelia constipata, daí o nome vulgar. O nome oficial é ácido 2-(14-hidroxipentadecil)-4-metil-5-oxo-2,5-dihidrofuran-3-carboxílico.

 

- ácido cômico: o nome deste composto vem da planta de onde é obtido: Commiphora pyracanthoides, a mesa de onde é extraído o óleo de mirra. Seu nome IUPAC é... não conseguimos descobrir.

 

- vaginol: dificilmente você encontrará esta substância naquele lugar... e sim na planta Selinum vaginatum, de onde é obtido. 

 

- ácido diabólico: mistura de ácidos dicarboxílicos de cadeia longa (graxos) de cadeia linear ou não. O nome advém do fato de que a separação desses ácidos é algo terrível de ser feita... Porém, um dos ácidos da família tem peso molecular 666. Cuidado!!!

 

- ácido erúcico: é o ácido (Z)-docos-13-enoico, um ácido graxo omega-9 monoinsaturado. Está presente nas sementes de colza, de erysimum, e de mostarda, compondo de 40 a 50 por cento de seus óleos. Sua alta tolerância à temperatura o faz ser utilizável como óleo de transmissão. Sua habilidade em polimerizar-se e ser seco indica seu uso como óleo para a formação de pastas em pintura ("binder").

 

- ácido morônico: da família dos triterpenos, oficialmente é o ácido (4aS,6aR,6aS,6bR,8aS,12aS,14aS)-2,2,6a,6b,9,9,12a-heptametil-10-oxo-4,5,6,6a,7,8,8a,11,12,13,14,14a-dodeca-hidro-3H-piceno-4a-carboxílico. Pode ser extraído de plantas (muitas delas no Brasil) cujas propriedades terapêuticas são muito investigadas. Foi usado em vasos e em mumificação no Antigo Egito.

Fonte: Esta publicação é da excelente página do Facebook "Química Analítica Qualitativa Inorgânica UFRJ" (https://www.facebook.com/QualitativaInorgUfrj/)

Site mais bem visualizado no Google Chrome

É proibida a utilização do material existente neste site para fins lucrativos.



O conteúdo pode ser utilizado por qualquer pessoa, desde que de forma pessoal e a fonte seja citada. Qualquer outra utilização do material encontrado nesse site deverá ser solicitada ao autor.



Caso algum conteúdo aqui publicado não tenha recebido o devido crédito, por gentileza,