Antídoto - Substâncias químicas que salvam vidas

Autor: Antônio Carlos Massabni
 

Páscoa: A Química do chocolate

Esta figura foi retirada do site http://www.meuanjo.com.br

Antídotos são substâncias químicas (ou misturas de substâncias) utilizadas para combater os efeitos de venenos causados por diferentes origens. O antídoto neutraliza o veneno, eliminando seus efeitos tóxicos para o organismo.


Para cada tipo de envenenamento ou intoxicação existe um antídoto específico, que deve ser aplicado imediatamente após as precauções e os cuidados médicos iniciais. Aqui se incluem as providências dos bombeiros, equipes médicas e de salvamento para socorrer as pessoas e minimizar os efeitos deletérios dos venenos e de produtos tóxicos em geral.
 

O envenenamento pode ocorrer por picadas de insetos ou animais, como aranhas, cobras e escorpiões, inalação de gases tóxicos ou inseticidas ou, ainda, por ingestão de metais pesados. O antídoto deve ser usado imediatamente para evitar que o veneno atinja o sistema nervoso e cause danos irreparáveis.
 

O agente causador do envenenamento deve ser excretado antes que seja metabolizado pelo animal ou ser humano. Quando há intoxicação ou envenenamento, as equipes de socorro devem providenciar o rápido isolamento das vítimas e também os antídotos específicos para aplicação.
 

No caso de gases tóxicos, a aeração ou a oxigenação dos pulmões do paciente deve ser imediata. Esses gases podem ser gerados pela combustão de materiais, como as espumas chamadas de poliuretanas (PU), que revestem paredes e tetos de ambientes para evitar a poluição sonora e a proliferação de sons e ruídos.
 

As poliuretanas são polímeros obtidos a partir da reação de um isocianato com um poliol. O isocianato pode conter dois ou mais grupos R-(N=C=O)n≥2 por molécula e o poliol contém um ou mais grupos OH por molécula, representada por R´-(OH)n≥2. A reação pode ocorrer na presença de um “catalisador”, que é um iniciador do processo de polimerização. Dependendo dos aditivos, das massas moleculares dos reagentes, da temperatura e das condições de reação, podem ser obtidas poliuretanas com diferentes características e propriedades físicas.
 

Alguns antídotos indicados para diferentes tipos de envenenamento estão na tabela abaixo.

Páscoa: A Química do chocolate

Há outros antídotos para o envenenamento por cianeto além daqueles indicados na tabela. Entre eles se inclui a hidroxicobalamina, que é chamada de vitamina B12a. Este agente talvez seja o mais promissor antídoto contra o cianeto. Quando aplicada, a hidroxicobalamina troca o grupo OH por CN, formando a cianocobalamina, que é a vitamina B12, não tóxica e até benéfica para o ser humano.